Rafaella, Kaike, e o grande Noah

Clique na imagem para vê-la maior!

Clique nas imagens para vê-las maiores!

Cheguei ao hospital junto com a EO Deise, e logo já encontramos com a Rafa que estava aguardando para ser internada no hospital. Tudo ocorrendo dentro do planejado. A Rafa, sentindo as contrações, mas estava conseguindo levar numa boa, muito tranquila. O trabalho de parto evoluindo super bem, e um tempo depois chega a GO Camile, que  conduziu tudo com a devida paciência e carinho.

Com 9 para 10 de dilatação, depois de tentarem tudo que era possível para que o Noah pudesse nascer de parto normal, bebê já dando sinais de que não estava tão bem, optaram pela cesareana. Mas que foi conduzida com o mesmo carinho, como vocês verão no relato da Rafa.

Muitos poderão pensar, – Mas hey, este não é um projeto sobre partos normais, ou partos humanizados, por que agora falar em cesárea?? Apenas, para que todos entendam melhor, este é um projeto sim sobre partos humanizados, e como muitos sabem nem todos os bebês poderão nascer via vaginal, mais ou menos, 1 a cada 5 mulheres talvez não possam ter um parto normal, de acordo com a OMS, e alguns outros estudos chegam apontar que apenas 1 a cada 10 mulheres terão que passar por uma cesárea. Mas nem por isso, a cesareana deve ser algo frio, em que a mulher tem que ser amarrada, e não pode ficar com o seu bebê ou tentar amamentá-lo em sua primeira hora de vida… A experiência da cesareana também deveria ser algo mais humanizado, menos robótico, menos industrial. E é desta experiência que se trata o relato de hoje, de uma cesárea necessária, realizada com todo o cuidado e carinho, respeitando as necessidades e desejos destes pais.

Gratidão Rafa por me permitir estar junto nessa!!! Foi lindo, foi inesquecível!

E segue agora o relato da Rafa,

Eis aqui meu relato!

Eu vim de uma família onde a cesárea é a coisa mais normal que existe! Portanto porque esperar se o filho pode nascer logo por meio dela? Foi pensando assim, sem experiência e sem ler e pesquisar sobre partos, que eu tive minha primeira gestação e minha filha nasceu de cesárea agendada, sem trabalho de parto, com 39 semanas, ou seja, até eu entrar em Trabalho de parto na segunda gravidez, eu nem imaginava como era sentir tudo que senti.

Mas tive a oportunidade de ter uma segunda gravidez e mudar tudo. Desde o início comecei a ler e pesquisar sobre parto humanizado, normal, natural. E foi então assistindo ao filme Renascimento do Parto, que eu e meu marido decidimos pelo melhor pro nosso filho, o parto humanizado domiciliar. Minha vida, minhas conversas, tudo era sobre parto. E muitas pessoas me olhavam e falavam “nossa, que absurdo parto normal, pra que se você pode fazer cesárea? É tão mais rápida” Ou “ah faz cesárea, hoje em dia ninguém faz parto normal mais.” Tudo isso entrava por um ouvido e saia pelo outro, pois ninguém ia me fazer desistir.

Procurando, encontrei a Deise e o grupo Empodera, onde fui muito bem atendida e recepcionada. Devido a alguns empecilhos, meu sonho do parto domiciliar não pode ser realizado, mas o sonho do parto humanizado ainda estava presente na minha vida.

Com o apoio do meu marido e de muitas outras pessoas fui atrás e a Deise minha doula e EO com seu carinho, e atenção me ajudou a não desistir. Passadas as 38 semanas e meia (fui acompanhada por uma médica cesarista, e ela com certeza não iria esperar meu tempo e fazer meu parto do jeito que eu queria.), eu estava “desesperada” por não conseguir consulta com nenhum médico humanizado assim em cima da hora, eis então que a Drª Camile surge em nosso caminho através da Deise. Conversamos e para nossa felicidade, tudo deu certo e decidimos que ficaríamos com ela até o fim da gestação e esperaríamos o tempo do nosso filho.

Quando fiz 40 semanas e 3 dias minha ansiedade e canseira estavam a flor da pele, meus pródomos aumentavam e meu tampão saia toda hora, então numa segunda feira, 30 de março fui a uma consulta, já estava com 2cm de dilatação, Drª Camile fez um descolamento de membrana pra ver se o Trabalho de parto evoluía e então fui pra casa aguardar.

Senti que daquele dia não ia passar, pois ao decorrer das horas, minhas contrações só aumentavam. Conversando com a Deise, já eram 22 horas passadas, ela decidiu que seria melhor vir até nossa casa para acompanhar a evolução das contrações e verificar a dilatação. Quando chegou conversamos, fui pro chuveiro, e quando sai as contrações ficaram ritmadas e quando vimos, já estava com 4 de dilatação. Nessa hora a ansiedade e a alegria, misturados com o medo, tomaram conta de mim. Medo de como ia ser, se eu iria conseguir, se tudo ia ser como planejei e decidimos que seria melhor eu ir pro hospital e aguardar lá minha evolução do parto.

Cheguei, me internei e fiquei no apartamento. Eu, a Deise, meu marido e a nossa querida Márcia, a fotógrafa mais atenciosa que já conheci. Logo chegou minha médica que ficou ali conosco, que só no último momento fomos para o centro cirúrgico. Resmunguei, me arrastei, quase chorei, fui pro chuveiro, sentei, rolei, enfim fiz de tudo, porque olha, essa dor das contrações, é a dor mais maravilhosa que existe, misturada com a maior dor que já pode existir. Não sabia se ria ou se chorava, porque a tão sonhada hora de ver meu filho estava chegando e eu teria que ficar firme e forte. Como eu tinha passado o dia acordada com contrações, e sem quase ter comido, porque não tive fome de tanta ansiedade, minhas forças estavam chegando ao fim.

Estourou minha bolsa dentro do quarto. Quando já estava com 9 pra 10 de dilatação, fui pra sala de pré parto, não aguentava mais e pedi analgesia. E meu marido ali, mais forte do que eu, me aguentando, me fazendo carinho e dizendo que não, que eu iria aguentar e que nosso filho ia nascer naturalmente sem as temidas intervenções. Mas minha fraqueza falou mais alto, porque a vontade de fazer força vinha toda hora junto com a dor. E após ter tomado a analgesia, eu já não sentia mais as contrações e a força que eu fazia era em vão.

Enfim, quando já estava com 9 horas de trabalho de parto, depois de muitas tentativas, analgesia, ocitocina, fórceps, 10 de dilatação e sem sinal de que o Noah queria sair, porque estava alto, nossa médica decidiu pela cesárea porque o Noah já estava com Bradicardia. Foi dolorido sim, tive vontade de chorar, porque nesse momento vi o fim do meu sonho, de tudo que imaginei pra nós a gestação inteira. Mas foi a melhor decisão que tomamos, desde o começo, porque depois de passar por tudo isso, eu vi que Deus esteve sempre presente e planejou tudo perfeitamente.

Quando o Noah nasceu vimos que já tinha mecônio também. Meu lindo então veio de cesárea NECESSÁRIA, com seus 55cm, 4090kg na manhã do dia 31 de março. Eu agradeço muito e especialmente a Deise e a Drª Camile, que “salvaram” o nascimento do meu filho. Que me ajudaram a escolher e aguardar pra ele vir na hora dele, de modo como ele e Deus quiseram.

Agradeço também a toda equipe do Hospital Nossa Senhora das Graças, que respeitou nossas decisões, nosso plano de parto, que mesmo sendo uma cesárea, minha doula e EO, minha fotógrafa e meu marido puderam ficar ali, todos juntos comigo, acompanhando o parto, eu pude ter meu filho em meus braços, pude ver quando ele saiu de dentro de mim, pude tocá-lo, segurá-lo, não fui amarrada, e ele não sofreu intervenções desnecessárias (ser aspirado, usar colírio, tomar banho antes de 24 horas de vida.) Papai ficou com ele o tempo todo, tomou banho dado pelo papai e a mamãe dentro do quarto e mamou nas primeiras horas de vida. Essa é a história do meu parto, tão sonhado, tão sofrido e feito como era pra ser. Mesmo não saindo como sonhei e planejei, eu passaria por tudo isso e muito mais novamente com certeza!

Rafaella Luz

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s